RSS

Arquivo mensal: julho 2012

SOBRE A POLÍTICA


 

 

 

Uma vez, durante um almoço de domingo, ouvi de minha avó, uma mulher admirável que quase não tinha a “curtura“ dos bancos escolares, uma afirmativa que me chamou a atenção.

A família, já numerosa pela quantidade de netos que rodeavam a mesa onde a “macarronada da vovó” era o grande motivo da festa.

_Cada povo tem o governo que merece – dizia ela com um ar distante enquanto  nos servia um a um os seus (até então ) seis netos.

Notei, naquela ocasião que meus pais e tios sorriram disfarçadamente e que vovô Castro colocara-se com o senho franzido, estremecido com o comentário, mostrando toda a sua reprovação ao aparte oportuno da matriarca da família.

O assunto do momento era a política.

Hoje posso afirmar que ela, A POLÍTICA, está no sangue de minha família.

_ A credibilidade no potencial da boa vontade quando se quer fazer alguma coisa de bem para uma comunidade, nos impulsiona a tomar atitudes que as vezes nem somos compreendidos _ nos dizia vovô Castro.

Convivi com o mundo político desde a minha adolescência, acompanhando meu avô em palanques, reuniões partidárias em sua casa e foi aí que percebi que é preciso acima de tudo ter três principais defeitos para ser um político de “$uce$$o”: muita lábia, muito dinheiro  e pouco escrúpulo.

Certa ocasião ouvi numa das conversas partidárias, a preocupação com o crescimento virtuoso do candidato adversário nas pesquisas populares, um dos membros do diretório sugeriu que se lançasse nas ruas panfletos anônimos acusando o adversário de LADRÃO, meu avô, não concordou com a idéia argumentando que isso não seria verdade, pois o adversário teria outros defeitos a serem atacados, menos esse, por não ser verdadeiro.

O comitê argumentou que até que se provasse ao contrário a difamação já estaria lançada e que o objetivo seria alcançado, visto que o povo é fácil de ser enganado.

Na manhã seguinte, o meu avô anunciava que saía em definitivo do cenário político de nossa cidade e quando perguntamos o porquê, ele respondeu que chegara à conclusão que jamais iria aprender a fazer política.

No mesmo dia, a cidade amanheceu forrada de panfletos difamatórios e o candidato que subia nas pesquisas começou a despencar vertiginosamente.

Quando ainda em vida, o meu avô percebendo a minha inclinação para a política, argumentou comigo que esse era um caminho difícil de ser percorrido, que não existe lealdade, não existem boas intenções, que o voto consciente é quase um fantasma.

O povo não sabe votar, dizia ele, neste país , o voto de gratidão, de cabresto, o voto comprado é que ganha a eleição. O eleitor é o maior corruptor que existe, ele praticamente obriga o político a atitudes não recomendadas.

Difícil para mim, na época entender o que o meu avô me ensinava.

Anos após a sua morte, ingressei no mundo da política e comprovei os seus ensinamentos. Sábio Vovô!

Felizmente os meus ideais ainda não foram de todo devidamente derrubados pelas decepções, acho que ainda tenho condições de lutar por uma comunidade melhor .

Sorte da democracia … azar meu!

 
Deixe um comentário

Publicado por em 29 de julho de 2012 em MEUS ESCRITOS

 

CARTA ABERTA ao Prefeito Ruiter Cunha de Oliveira


Sr Prefeito.

(Não… comecei errado…  deixa eu refazer a minha frase inicial de saudação…)

Meu querido prefeito.

Eu pensei muito antes de redigir esta carta.

Foi uma luta e tanto entre a minha sensatez e a minha expansividade. Mas a decisão foi tomada a partir de um provérbio persa que diz: “Duas coisas indicam fraqueza: calar-se quando é preciso falar, e falar quando é preciso calar-se.” E  cá entre nós, se tem algo que não sou nem nunca fui é uma pessoa “fraca”, nem física, nem emocional, nem espiritualmente (graças a Deus).

Conversando com um amigo de infância, sobre os acontecimentos recentes, sobre o momento político que vivemos em nossa Corumbá, ele me confidenciou que tem “pena” de você (referindo-se à chuva de ataques que você vem sofrendo) e eu rebati dizendo que não tenho pena não. Eu tenho é orgulho memo.

Ele arregalou os olhos e me perguntou o porquê.  E quando eu quando eu argumentei, ele veio com a frase bombástica: Mas se tudo isso é verdade por que ninguém se manifesta? É medo da Policia Federal? Do Ministério Público? Da opinião pública?

Danou-se. O questionamento de meu amigo me tocou a alma. Por que?  Medo? Não eu não tenho medo da Policia, nem municipal, nem estadual, nem federal. Quem tem que ter medo de policia é bandido.

Eu não sou bandida.

Eu respeito a autoridade constituída, a autoridade médica, a autoridade militar, a autoridade culinária, a autoridade jurídica, a autoridade familiar, a autoridade jornalística.

Respeito é diferente de medo.

Medo? Medo não! Medo eu tenho de aranha caranguejeira.

Não vou aqui entrar em quintal de casa que não conheço, ou de casa que só entrei  até  a  sala de estar.

Vou falar do MEU QUINTAL, do quintal da Educação, porque essa é a minha casa.

Quando eu afirmo em alto e bom tom que  você foi O MELHOR PREFEITO QUE CORUMBÁ JÁ TEVE, é porque foi mesmo. E aquele que te suceder vai ter que sambar em cima de brasa quente sem queimar os pés se quiser fazer melhor do que você nesses 08 anos de governo. Eu falo isso pensando em mais de 1.200 trabalhadores da Educação de Corumbá.

Tenho 57 anos , sou eleitora a 39 anos e nunca nenhum prefeito fez no espaço de 31 anos o que você fez em 08 anos. E isso tenho certeza que todos os trabalhadores da educação concordam comigo.

Só não digo que tenho a autorização de TODOS para fazer essa afirmação porque não o tenho, mas duvido que em sã consciência haja um, que possa dizer que estou errada. E aqui,Ruiter, não tem nada a ver com Partido Politico.

Não sou filiada ao PT. Ao contrario, sou filiada ao PSDB. Partido de oposição a você, mas eu não vou mentir só porque os partidos pensam diferente. Eu não.

Eu penso com minha cabeça e não com a cabeça do partido ou de líder político ou de quem quer que seja.

Obrigada Ruiter. Muito obrigada pelo Plano de Carreira dos profissionais da Educação de Corumbá. Era uma reivindicação antiga, sofríamos muito pela falta de um. Isso é valorizar o professor.

É claro que a questão salarial é importante, mesmo porque ninguém paga conta de água luz, supermercado, aluguel, vestuário com “vocação” pela profissão de professor.

Para que o professor trabalhe com tranqüilidade, para diminuir o seu stress por causa dessas “cositas más” o professor precisa ter a tranqüilidade e você deu essa tranqüilidade ao professor.

Hoje estamos com um dos melhores salários do país (de servidores municipais da educação) embora na minha opinião ainda não condizente com a responsabilidade da educação mas já não somos o pior. Estamos entre os mais bem pagos.

Obrigada pela diminuição da carga horária em sala de aula, aumentando para o professor a hora/atividade onde o professor prepara aula e corrige provas e trabalhos NA ESCOLA, permitindo que o professor dê a atenção ao SEU filho em casa.

Eu fui uma que quando adolescente, disse para minha mãe que ela gostava mais dos alunos dela do que de mim, porque ficava de manhã e á tarde com eles na escola e a noite em casa, não tinha tempo pra mim porque dedicava seu tempo e preparar aulas e corrigir, pensando novamente em seus alunos.

O cruel é que mais tarde eu me vi, cometendo com meus filhos o mesmo “erro” a que o sistema me impunha.

Mas você também colaborou para que isso não acontecesse mais.

Obrigada pelos 03 concursos públicos que você fez para atender a educação, dando ao professor a estabilidade estatutária, forçando o leigo a se profissionalizar, a crescer.

Obrigada pela média de 04 capacitações anuais, que em 08 anos chegam a uma média de 32 capacitações.

Obrigado pelo Plano de Saúde com a Cassems, isso ajudou, deu tranqüilidade ao professor em relação à saúde de sua família. Nossa… só Deus e eu sabemos com que felicidade no coração eu recebi a noticia de que você tinha assinado com a Cassems.

Obrigada pela manutenção das escolas reformadas, aumento de salas de aula, cobertura de quadras, de creches, da qualidade e orientação de nutricionista na merenda escolar, pelo material escolar dos alunos, uniforme, pastas, salas de informática, escolas em tempo integral, as de tempo estendido…

Obrigada pelo incentivo financeiro aos professores que trabalham em áreas distantes (zona rural e assentamentos).

Obrigada pelo pagamento em dia . Muitos podem até argumentar que isso é obrigação e é mesmo. Mas também sabemos que apesar de sê-lo não é isso que acontece em outras muitas prefeituras do resto do país.

Obrigada pelo incentivo ao professor que quer fazer especialização, mestrado, doutorado … oportunizando essa ação através de uma cota pequena, mas que já é muiiiiita coisa.

Obrigada por apoiar ONGs como o Moinho Cultural e Programas Sociais do Governo, isso reflete dentro da escola; e refletindo na escola, reflete na família; e refletindo na família reflete na sociedade como um todo.

Obrigada, Muito obrigada ! A educação agradece!

Li numa rede social que no Japão, o único profissional para o qual o Imperador se curva, é o professor. Percebi pela sua ação como prefeito que você fez isso em nossa cidade. Obrigada. Conte com a minha eterna gratidão e reconhecimento.

Eu definitivamente não estou na fila de pessoas que culpam um único fio de cabelo branco pela senilidade de mentes perturbadas.

Tem algo ainda que quero dizer. Quando você se candidatou pela primeira vez e foi eleito, eu fiz um comentário

__ Duvido que ele de conta do recado!

E você deu.

Obrigada por me provar que eu estava errada.

Obrigada pelo meu quintal.

Marluci Brasil

 
4 Comentários

Publicado por em 26 de julho de 2012 em MEUS ESCRITOS

 

QUE ABSURDO!!!!!! ONDE ESTAMOS? QUE PAÍS É ESSE?


Imagem

13 HORAS… 
Eu, tirando duvidas de um aluno dentro de casa.
Minha filha trabalhando. 
Meu carro estacionado na frente do meu prédio.
E um “guarda de transito” diga-se de passagem médiun vidente, multa meu carro, porque o “fantasma” brincava ao volante, com o carro ESTACIONADO, tudo porque não usava cinto de segurança. 

Eu perco pontos na carteira. 
E notas tambem…. 
É a industria das multas que cresce assustadoramente.

Faço o certo.
Recorro. 
E hoje recebo a resposta que transcrevo aqui e agora: Tenho que que pagar a multa. PORQUE A COMISSÃO NÃO JULGA O MÉRITO DA QUESTÃO, MAS A CONSISTENCIA DO AUTO E SE O MESMO TEM TODAS AS INFORMAÇÕES DETERMINADAS PELO CÓDIGO DE TRANSITO BRASILEIRO, TAIS COMO : MARCA/MODELO, LOCAL, DATA, HORA, CODIGO DO MUNICIPIO, CODIGO DE MULTA, MATRICULA DO AGENTE ATUADOR…. OU SEJA: dane-se o cidadão…. 

Dá pra acreditar nisso? 
Quer dizer que basta que o “guardinha” saiba identificar a marca e o ano do carro, saber ler e escrever, ele pode multar até carro parado? E ainda atestar que viu fantasma sem cinto de segurança. Dá pra acreditar nisso? 

Vou recorrer de novo. 
E se perder.. recorro outra vez…
e se perder…. vou diariamente, enquanto tiver um microfone nas mãos, um jornal que aceite MATERIA PAGA. Um palanque pra subir, um megafone , uma esquina, um púpito… vou alardear que o cidadão brasileiro não tem direito nenhum. 

Ele só tem o dever de pagar impostos e dizer AMÉM para absurdos como esse.

 
1 comentário

Publicado por em 19 de julho de 2012 em TEXTOS QUE EU GOSTARIA TER ESCRITO

 

Inversão


Tem momentos em que meu ser me surpreende.

Minha criança interior pega meu rosto em suas mãos , me fita os olhos e me diz:

_ Você nunca vai me perder! Com você eu nasci, com você vou morrer!

Minha criança interior é sabia, prudente,

traquina, irreverente,

justa, sutil,

experiente, senil…

Minha criança interior, se mascara pra me convencer

de que é preciso acreditar pra poder vencer.

Minha criança interior , às vezes fala ao contrario.

ACREDITAR É AMAR.

E eu busco na memoria,

escrita pela minha história,

o quanto eu já amei…

O quanto eu já acreditei que amada fui,

ou que nunca amada me senti….

E quando levanto os olhos pra olhar minha velha criança interior

ela inverte o dito:

__ AMAR É ACREDITAR.

E percebo que ai mora a verdade maior,

que pode envelhecer a criança,

que pode infantilizar a velhice….

 
Deixe um comentário

Publicado por em 17 de julho de 2012 em MEUS ESCRITOS

 

Tags:

 
%d blogueiros gostam disto: