RSS

Quando a ignorância quer opinar na Educação…

16 mar

chega de paulo freire

Pensei muito, muito mesmo antes de me posicionar a respeito de uma frase pintada numa faixa nesses dias de manifestação popular sobre a situação política no Brasil.

Aqui não vou falar sobre a frase (infeliz) em si, mas sobre a opacidade intelectual de quem a idealizou.

Minha avó me dizia que “NÃO ADIANTA EXPLICAR PARA QUEM NÃO QUER ENTENDER” e se ela (a minha avó) foi a maior pedagoga que passou pela minha vida me ensinando, me educando para a vida; Paulo Freire me educou para o mundo dos letrados e dos ignorantes.

Vamos passear pela história deste educador fantástico para entender se a frase: “Chega de doutrinação marxista! Basta de Paulo Freire!” deveria ser modificada pela frase “Por mais Paulo Freire !”.

Vejamos. Eu acredito que hoje no nosso país a luta política é uma luta PEDAGÓGICA. Só a educação pode resolver a situação do povo brasileiro que está literalmente deseducado… Mal educado não é o termo correto. DESEDUCADO que o é.

Hoje mata-se por leviandades, hoje agride-se verbal, psicológica e fisicamente sem que se tenha a noção da veracidade dos fatos. Hoje as pessoas veem um arquivo puramente humorístico e sem ler o bojo de sua mensagem compartilham nas redes sociais já temperando com suas impressões errôneas aquilo que era para ser apenas uma brincadeira. Hoje “alho e bugalho” por terem sonoridade semelhante deixaram de ser substantivos opcionais num verso qualquer para serem verdadeiros sinônimos no entendimento de muitos e na falta de importância de poucos.

Paulo Freire, foi alfabetizado pela sua mãe, no quintal de sua casa em Recife, com galhos de arvore e escritas no chão. Essa experiência ele levou para sua teoria educacional e por ela passou a dar consultoria no mundo inteiro. Por ela passou a ser referência em educação.

Paulo Freire via a leitura do mundo muito além do aprender a ler e escrever através da junção de sílabas. No fundo, no fundo, foi ele quem iniciou o pensamento a respeito de que existe o Alfabetizado e o Letrado; existe o Analfabetismo e o Analfabeto Funcional.

Paulo Freire, orientou que nós aprendemos a ler para entender o mundo e depois de entende-lo modificar o que nele nos surpreende de forma negativa. Ele nos ensinou que a leitura do mundo é continua e só ela pode transformar a realidade. Acho que isso é que o fez incomodar tanto, a tantas pessoas e por essa visão ter sido literalmente caçado pela ditadura militar, ser exilado e se ausentar do solo brasileiro por 16 anos…

Paulo Freire rotulou a educação tradicional (a depositária de conhecimentos) de EDUCAÇÃO BANCÁRIA (estaria ele prevendo o que o capitalismo faria com o ser humano). Nessa educação o educador DEPOSITA na cabeça do aluno aquilo que ele, o educador “acha” ser importante…

Meu Deus!!! Será que é isso que quem idealizou essa frase quer para as crianças, os adolescentes, os jovens brasileiros?

Não!!! Eu não quero isso! A educação só existe quando existe troca! Quando um aprende com o outro. A aprendizagem só se efetua quando ocorre a mudança de comportamento.

Eu acredito que o saber ouvir, o esperar a hora certa de falar, o dialogar, o argumentar, denotam a história de vida de cada pessoa. A educação idealizada por Paulo Freire é inspiradora, é renovadora, é humana. Ela nos ensina a partir não do “b+a=ba” das cartilhas mas sim da realidade dos próprios alunos aprendizes, que no decorrer da aula se tornam alunos monitores para os próprios colegas e até para o educador que coordena a ação educativa.

Paulo Freire explicou a PEDAGOGIA DO OPRIMIDO. Paulo Freire argumentou dialogando a PEDAGOGIA DA ESPERANÇA. Paulo Freire merece respeito.

Eu sou uma educadora que não concebe um mundo educacional sem Paulo Freire.

Se tivéssemos mais “Paulos Freires” no legislativo, no executivo, no judiciário… Talvez não estivéssemos repetindo o “PRECISAMOS DE MAIS EDUCAÇÃO” a cada eleição, talvez não víssemos discursos idênticos em todos os partidos políticos…

Anúncios
 
1 comentário

Publicado por em 16 de março de 2015 em MEUS ESCRITOS

 

Tags:

Uma resposta para “Quando a ignorância quer opinar na Educação…

  1. Jorge Kanehide Ijuim - Florianópolis

    21 de março de 2015 at 21:12

    Marluci,
    Você foi precisa, exata e franca. Fico feliz de encontrar mentes como a sua.
    Parabéns pela sua lucidez.

    Curtir

     

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: