RSS

Arquivo mensal: agosto 2017

Uma homenagem a todos os artistas no DIA DO ARTISTA _ 24 DE AGOSTO


Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em 24 de agosto de 2017 em MEUS VIDEOS

 

Tags:

Meu pai! Meu querido, meu velho, meu amigo!


 

Não me lembro dos ruídos percebidos no útero de minha mãe…
Mas me lembro do toque de sua mão quando acariciava a barriga dela… Meu ser ainda em feto, sabia que era você…

Não me lembro dos tombos que levei quando comecei a andar,
mas me lembro da segurança de seus braços me levantando do chão e me colocando sobre seus pés para me ensinar a seguir os seus passos e aprender a andar. ..

Não me lembro de minha primeira professora, mas me lembro de seu olhar atento me ouvindo na primeira leitura e de seu abraço quando eu finalmente venci o analfabetismo….

Não me lembro de minha primeira nem da segunda nem da ultima decepção que tive com as pessoas que amei, mas me lembro de você, segurando minhas mãos , me olhando nos olhos e me dizendo.: Você vai superar isso. Você é forte. Você é minha filha!

Não me lembro de meu primeiro namorado nem de meu primeiro beijo, mas me lembro de seu olhar amigo me ouvindo te contar qual era a sensação ao experimentar o mundo dos adultos, ainda adolescente….

Não me lembro de das dores que tive para dar a luz aos meus filhos, mas me lembro de seu olhar para mim quando você entrou pela porta da maternidade trazendo meu filho e depois minha filha em seus braços para entrega-los aos meus braços…

Não me lembro do de muita coisa, de muitas situações, de muitas pessoas que passaram pela minha vida mas me lembro de que jamais esqueci e jamais esquecerei você.

Te amo Pai!

 
Deixe um comentário

Publicado por em 13 de agosto de 2017 em MEUS ESCRITOS, MEUS VIDEOS

 

Tags: ,

Vídeo

RENASCER


 
Deixe um comentário

Publicado por em 12 de agosto de 2017 em MEUS ESCRITOS, MEUS VIDEOS

 

Tags:

Diante do desmerecimento


conselhos-de-vovo-lucinda

O caminho da escola até a casa de minha avó Lucinda foi feito debaixo de sol quente. Em Corumbá era assim… 8 ou 80.

Cheguei sem muitos sorrisos. Estava magoada.

Sentei-me à mesa e devorei o prato de macarronada com molho de almondegas ( ela sempre fazia , sabia que eu gostava).

Depois quando todos já tinham se levantado da mesa eu ainda continuei ali, espetando uma rodela de tomate no prato com o palito de dentes.

Percebi que ela me olhava “de canto”.

Eu sabia que ela vinha falar comigo, saber o que houve, me dar seus sábios conselhos…

Sentou-se ao meu lado:

__ Quer doce de tarumã?

_ hum rum…..

Ela colocou num copo e trouxe a colher, sentou-se ao meu lado e ficou me olhando comer o doce com um olhar lindo…..

_ Comendo com essa amargura você vai amargar o doce….

Comecei a chorar…

_ Eu fiz o trabalho de irmã Lurdes sozinha… Puz o nome de Fátima , ela não fez nada… Mas eu puz porque ela tava doente.

_ Fez bem! Isso é prova de amizade.

_ É mas hoje professora Sheila marcou trabalho em dupla e pôs eu e ela. E ela foi dizer pra professora que não queria fazer o trabalho comigo.

Vovó se ajeitou no banco….

_ Hum… e por que?

_ Ela falou que eu nunca sei nada. Que eu sou pelego…

Os olhos de vovó se amiudaram…

_ É assim mesmo, Marluci… Você tem que aprender a lidar com essas situações. Faz o trabalho sozinha.

_ Mas vó ela falou que eu não sirvo pra fazer trabalho com ela, como que ela pode?

_ Não importa como ela pode fazer isso com você, o fato é que ela pode. __ levantou-se , deu dois passos e virou para acrescentar essa pérola que até hoje eu carrego em minha lembrança quando sei que alguém fez uma critica negativa a meu respeito:

__ Lembre-se : NA BOCA DE QUEM NÃO PRESTA, QUEM É BOM NÃO VALE NADA!

 

OBS: obrigada vovó.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 8 de agosto de 2017 em MEUS ESCRITOS

 

Tags:

Entalada…


Há dias que meus versos ficam burilando a ponta de meus dedos…

Querendo saltar para o papel em branco

Na verdade eu sei que eles já estavam lá…

Em letras transparentes  invisíveis no papel alvo que me pedia:

_ Não , não escreva! Hoje não!

Não quero dividir com você essa aflição,

esse “sem jeito”,

essa maçã entalada na garganta,

esse nó no centro do peito.

 

Olhei o papel,  folheei o caderno…

Busquei outras folhas…

Em todas eu lia o mesmo pedido…

Obedeci…

Não escrevi…

O ácido do sugo gartrico foi amolecento a “fruta”…

Engoli!.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 7 de agosto de 2017 em MEUS ESCRITOS

 

Tags:

 
%d blogueiros gostam disto: