RSS

Arquivo mensal: junho 2018

Não!


gplus-1424057083

Nunca digo NÃO para as oportunidades.

Se ela me chega como nova forma de ver e sentir, eu digo SIM.

Se ela me desafia o pensamento e me induz ao questionamento, eu digo SIM.

Se ela me aponta um novo caminho ainda que obscuro ou cheio de curvas, e se esse caminho é capaz de me tirar da estagnação eu digo SIM!

Mas se ela me mostra que haverá um novo sentimento a ser plantado, cultivado e colhido; não sou quem responde, é o meu coração.

E ele responde: Não!

 

(texto de Marluci Brasil __ Respeite os direitos autorais)

 
Deixe um comentário

Publicado por em 30 de junho de 2018 em MEUS ESCRITOS

 

Tags:

O meu maior professor


27544902_1701221906606786_1582706681470151960_n

O TEMPO foi o melhor professor que tive…

Com ele aprendi tudo o que sei.

Aprendi a levantar a cabeça, a sentar, a engatinhar, a andar, a correr…

Aprendi a saborear, a beber, a comer…

Aprendi a amar e até a esquecer…

Com o TEMPO aprendi a arriscar e a não esmorecer.

Aprendi a lutar, a ganhar e a perder.

Aprendi a estudar, analisar, conferir, concluir.

Aprendi a ler, escrever, contar, somar, subtrair

Aprendi a multiplicar e dividir.

Aprendi a ler feições, aprendi a identificar toques:

Os amorosos, os de malicia, os de indiretas, os de ofensas, os de penar…

Com o tempo aprendi a ler as linhas   e as mensagens escondidas por entre elas (as entrelinhas)

Aprendi a pressentir o efeito logo depois da causa…

Aprendi o compasso musical

Aprendi o tom e a afinação na melodia

Aprendi a diferença entre noite e dia

Aprendi a controlar os órgãos excretores de meu corpo

Aprendi a superar a dor da fome

A esperar o momento certo

Para me alimentar e saciar

Aprendi tudo com o TEMPO

Tudo em mim aprendeu muito com o TEMPO

Meus olhos a ver e enxergar o que via

Meus ouvidos a ouvir e escutar o que ouvia

Meus braços a buscar o meu sustento

Minhas pernas a caminhar

Tudo em mim aprendeu muito com o TEMPO.

Menos meu coração…

O aprendizado não foi completo…

Ele aprendeu a amar e perdoar,

Mas não aprendeu a pensar…

 

Texto de Marluci Brasil

OBS: Respeite os direitos autorais.

 

 
Deixe um comentário

Publicado por em 30 de junho de 2018 em MEUS ESCRITOS

 

A ordem do inverso


Sou de uma geração única e mais compreensiva, porque somos a última geração que ouviu seus pais, avós e tios.

Também respeitamos os pais, professores, pessoas mais velhas e amávamos de verdade.

Nós tínhamos apelido e não era desrespeito, as músicas que ouvíamos não agrediam.

Nós atravessamos a era do rock,  hippies, viagem a lua, muitas guerras que não eram nossas, crescemos protegidos pelos militares, estudamos em escolas e faculdades públicas, não havia plano de saúde, brincávamos o carnaval nos clubes, havia baile de debutantes, tínhamos 2 meses de férias, namorávamos e muitos de nós se casou com a primeira namorada e está casado até hoje.

Somos uma edição LIMITADA! Todos os dias somos menos.

Aproveite enquanto você pode.

Aprenda conosco.

E tenha em mente que, tivemos muito trabalho para construir um MUNDO que hoje está sendo destruído por falta do que no passado tínhamos em abundância, AMOR AO PRÓXIMO.💝

(Desconheço a autoria do texto)

 

O tempo de hoje


Com os anos passando feito dias, tão rapidamente que quase me passam desapercebidos, aprendi a reconhecer meus medos, depois a controla-los, depois a diminui-los, depois a elimina-los.
Hoje não tenho mais medos.
O medo irradia forças negativas, que atraem críticas que podem ser propícias a duplicar o poder de destruição do medo.
Aprendi que se você teme, mostra onde pode ser atingido mortalmente.
Aprendi que se você não teme, você paralisa a crítica dos outros, que então se sentem tolhidos e dominados pela sua força mental positiva.
Hoje não tenho medo nem da morte.
Hoje tenho é medo de não viver.
Hoje aprendi que o profundo pode ser menos perigoso que o raso, porque pessoas rasas me incomodam. Essa questão de “dar pé” às vezes é menos envolvente do que o “boiar”.
Hoje não arrisco mais dar o primeiro passo, mesmo porque é preciso estar parada para dar o primeiro passo, e eu não tenho mais tempo para ficar parada.
Hoje eu me arrisco no salto!
Hoje eu me jogo!
Hoje eu atropelo as situações de entraves daquilo que quero e que preciso ser e ter!
Hoje só tenho medo de aranha caranguejeira!

(Texto de Marluci Brasil __ respeite os direitos autorais.)

34258597_1972367766108032_7536198008405229568_n

 
Deixe um comentário

Publicado por em 24 de junho de 2018 em MEUS ESCRITOS

 

Tags:

 
%d blogueiros gostam disto: