RSS

Arquivo da tag: DESABAFO

Quando o grito na garganta por motivos diferentes muda de direção, sai pelos pêlos e escreve o seu som de sua dor e indignação.

Medo


Eu devia ter mais ou menos 8 anos de idade quando tive pela primeira vez na vida o contato com o medo.

Ele chegou junto com o desconhecido, com o perigo da ausência eminente, repentina e fatal…

Convivi com esse medo por 36 anos…

Às vezes acordava à noite e sorrateiramente me dirigia até o quarto de meus pais para observar se meu pai respirava, colocava a mão infantil em seu abdômen para constatar se ele se mexia com a respiração. Algumas vezes ele acordava com meu toque, me via chorando ao lado de sua cama e sonolento, me abraçava e me aninhava entre ele e minha mãe para que eu adormecesse segura.

Quantas brigas eu tive com minha mãe quando ela reclamava do ronco de meu pai. Para mim era música… Eu podia adormecer tranquila, se ele roncava era porque respirava…  Tem momentos em que penso que minha falta de afinidade com minha mãe não era só pela “preferência” dela em relação à minha irmã e eu… Era também porque ela reclamava do ronco dele e eu não conseguia ( na minha meninice ) entender como ela não pensava como eu, se nós três (eu, ela e minha irmã) tínhamos o mesmo medo…

Foram 36 anos de sofrimento para em 18/12/1999 viver esses 36 anos num único dia, tudo novamente e desta vez o medo materializado  à minha frente… ( Pensei que fosse morrer junto com ele naquele sábado…)

Depois de 36 anos de medo, o fantasma da ausência foi se tornando diariamente tão presente, que passou a fazer parte de meus dias, e deixou de ser medo, para ser um nó no centro de meu peito, uma opacidade em minha esperança, uma reticência em minha certeza…

Agora depois de 21 anos de materialidade percebo que o medo se reproduz na surdina… Sorrateiramente…

Acordo de madrugada… me vejo criança, dormindo comigo mesma em minha cama, aninhada em meus próprios braços e ele, o medo, sentado na poltrona em frente à minha cama… Silencioso…
Apenas me observando… Ele o mesmo medo…

Não!!! Não estou preparada para enfrentar tudo aquilo novamente…

 
Deixe um comentário

Publicado por em 5 de março de 2020 em MEUS ESCRITOS

 

Tags:

UM DIA DE CADA VEZ


cropped-69608472_2534042606664558_2003870674745032704_n.jpg

No dia 30 de outubro resolvi participar da campanha do OUTUBRO ROSA. Devo confessar que sempre fiz meus preventivos com um nó na garganta.

Quando soube que minha amiga Rosa Mavignier estava com a doença chorei acho que uns 3 dias. Senti medo. Não sabia como falar com ela. Postei uma foto no Facebook onde eu colocava um lenço na cabeça e disse: ROSA EU TE AMO. Era só isso que eu conseguia dizer.

Rosa me confortou, me acolheu, me esperançou. Rosa me fortaleceu, me inspirou, me repaginou em relação ao Câncer.

No dia 30 de outubro eu fui fazer o meu preventivo. Fui com o nó na garganta (como sempre), notei uma reação diferente na moça que manuseava o aparelho de mamografia e comentei com minha filha.

Uma semana depois o Hospital de Câncer de Barretos (aqui em Campo Grande) me ligou. Quando do outro lado da linha a moça se identificou eu gelei… Eu precisava fazer um ultrassom…Eu fui.

No mesmo dia o Hospital novamente me chama para uma consulta com oncologista… Tremi… Eu fui…

Dois dias depois eu fazia a biopsia… Suspirei…

Novembro não foi fácil… 19 dias de espera do resultado, nesse mesmo mês, dívidas, a perda de um amigo querido, pessoas que me decepcionaram porque eram amigos só quando precisavam de minha compreensão para com os compromissos que tinham assumido comigo. Minha filha doente, sofrendo, cirurgia, dores, choro, dores (e eu pedindo a Deus que passasse a dor dela para mim), a busca de socorro de uma palavra amiga nas pessoas que eu mais amava e um silencio ensurdecedor do outro lado… As duas barrinhas azuis do WhatsApp mostravam que a mensagem tinha sido recebida, mas o retorno não acontecia…

Dia 19 de novembro, recebi o diagnóstico. TENHO CÂNCER.

O medico me deu a noticia sem me olhar nos olhos. Olhando os papeis ele disse:

_ A senhora vai precisar fazer uma cirurgia, porque tem que tirar esse nódulo de sua mama esquerda.

Falou de cabeça baixa.

Ouvi o suspiro de minha neta que me acompanhava na consulta.

A enfermeira em pé ao meu lado segurava um lenço de papel (provavelmente para me dar, caso eu chorasse). Olhei para o médico.

__ Deu positivo para CA doutor?

Ele levantou a cabeça lentamente e pela primeira vez me olhou nos olhos:

_ Sim, dona Marluci.

Acreditem ou não vocês, eu vi minha amiga Rosa naquele momento. Vi seu sorriso!

_ Doutor, Não fique assim. Vou fazer o que tenho que fazer. Sou espirita. Não tenho medo da morte. Eu entendo a morte. Mas vou lutar para viver. Olha pra mim doutor. (ele olhou) O senhor está bem?

Ele sorriu… Um sorriso amarelo… Sem graça…Sem jeito…

Minha neta me olhava com a respiração trancada no seu olhar.

Olhei para ela e disse:

__ Estou bem filhinha. Vovó não vai morrer de câncer. Vovó vai morrer de raiva. E do coração. Vai ser que nem tia Astrea. Não vou agonizar nem sofrer. Não vou embora agora.

Saímos de lá e fomos para a psicóloga, ao lado da sala do médico.

Um amor de pessoa… Já entrei acalmando-a e dizendo que eu estava bem. Falei o tempo todo sobre a vida, sobre o espiritismo, sobre medos, sobre enfrentamentos… Ela me olhava com os olhos arregalados e só conseguiu me dizer que gostaria que eu voltasse para vê-la porque ela precisava de mim.

No caminho para casa fiquei pensando como falar para meus filhos. Eu sabia que seria um choque para eles; mas eu conheço as almas que eduquei. Conheço os filhos que criei. E pensei:” não vou envenena-los aos poucos. Se um gole ou um copo de veneno tem o mesmo efeito, então vai ser um copo em um único gole”. Falei. De uma vez só, de supetão. Não dei tempo para o susto tomar conta deles. Completei mostrando que “AQUI É CASTRO!!!”, como diria meu velho e amado pai.

Nesses três dias que tenho consciência de que estou convivendo com o câncer resolvi me apresentar a ele. E acho que já o convenci de que não vou trata-lo como inimigo, vou cuidar dele. Vou cura-lo. Vou transmutar a energia ruim que ele carrega em si para que ele se sinta menos invasivo, menos destruidor. Não posso tratar mal quem me ensina alguma coisa… Sou professora, sei o valor do ensinamento.

E posso garantir que o câncer já está me ensinando muita coisa.

Ter câncer não é uma sentença de morte, é só um aviso de que terei dias de tempestade vindo por aí e que terei que me preparar para enfrenta-la.

O que não quero é ser alvo de olhares de compaixão e ter que suportar a ideia que os outros têm de que eu vou morrer e pronto.

Tantas outras doenças graves e silenciosas matam até mais do que o câncer, mas não provocam nas pessoas esta ideia catastrófica… É preciso mudar essa mentalidade nas pessoas.

Uma coisa ele já me ensinou; que pela força do estigma, ele tem o poder de modificar para sempre quem o enfrenta.

Em apenas 3 dias de convivência consciente ele já me ensinou que devo mudar o hábito olhar para o ontem e para o amanhã, me mostrou que minha vida sempre foi e deve continuar sendo uma sucessão de “hojes”.

Didaticamente me remeteu às mágoas do passado e aos medos do futuro e me mostrou que há dias bons e dias ruins – e que ambos passam.

Me ensinou que ao invés de eu perguntar revoltada: PRO QUE EU? POR QUE COMIGO? Eu devo perguntar POR QUE NÃO EU? __ e perguntar de forma tranquila.

Em três dias ele já me curou do pouco de vaidade que eu tinha…rs.

Me mostrou que eu vivendo o hoje, devo usar o dinheiro que tenho para viver o hoje. Então… enlouquecida de vontade de comer sushi, mesmo estando com dinheiro contado para pagar contas e terminar o mês, eu pedi sushi e saboreeeeiiiiiiiiiii cada pedaço com um prazer único e inigualável.

Em três dias de convivência consciente ele me mostrou o quanto eu sou feliz quando canto, e eu que já tinha decidido parar com a música, me vi ligando rádio, cantarolando em capela as musicas que eu mais gostava de cantar quando era uma “cantora da noite”

Em três dias de convivência consciente ele me fez diminuir as postagens em redes sociais sobre um governo desastroso, inescrupuloso e funesto para o país…

Pra que poluir minha leitura, minha escrita, meus dias com a loucura e o desrespeito dos insanos?

Pra que me empenhar em abrir os olhos do cego se ele tem a retina deslocada e transloucada? Deixa isso pra quem tem gás pra queimar… Meu gás agora é para fazer café… (adoro café).

Em apenas três dias de convivência consciente ele trouxe amigos novos, trouxe de volta amigos antigos e me surpreendeu com tanta vibração positiva.

Ele me mostrou que o amor vem de onde menos se espera e que amor as vezes é tão grande e tão forte que nos constrange.

Se você me leu até aqui, peço que respire fundo…Que não sofra por mim, porque eu não estou sofrendo. Estou bem! Estou calma! Estou tranquila! Vou fazer o que tem que ser feito!

E saiba que vou postar sempre minha experiência com ele, minha convivência com ele, minhas brigas com ele e quando ele se for… Vou contar nossa despedida também…

Se eu sou uma influenciadora (como dizem que sou), se as pessoas se espelham em mim (como dizem) então eu tenho que ensinar o caminho que faço, não para derrotar, mas para NÃO SER DERROTADA.

 

Com amor a todos que me leram até aqui.

Marluci Brasil.

 

 
2 Comentários

Publicado por em 22 de novembro de 2019 em MEUS ESCRITOS

 

Tags: , , , ,

O que quero para minha vida


cropped-1

_ O que eu quero para minha vida?

Faz tempo que não penso isso…
Desta vez pensei enquanto a água caia em meu corpo.

Olhei para minhas pernas enquanto eu lavava uma a uma.
Me vi acariciando meus joelhos e agradecendo a eles e às minhas pernas por todos os caminhos que fui capaz de ir graças a elas…
Todas as músicas que dancei…
Me bateu uma nostalgia…
_ O que quero para minha vida? Não para a vida de meus filhos ou de minhas netas, mas para a MINHA VIDA?
Chorei com a resposta que dei a mim mesma.
Chorei de vergonha de mim mesma.
Chorei com pena de mim mesma com a resposta que me dei…
O que quero é tão pouco…

Quero poder tomar banho em pé!
Quero poder lavar vasilha em pé!
Quero poder cozinhar em pé, ao lado do fogão!
Quero poder cantar em pé!
Quero poder dançar em pé!
Quero ir ao supermercado e fazer minhas compras andando pelos corredores, olhando as prateleiras, escolhendo os produtos…
Quero andar com minhas pernas…

Não quero vender livros, não quero cantar, fazer shows, viajar, carro novo, ganhar na loteria, vender…receber…
Não!!! Se tudo isso vier a mim será bem-vindo, eu aceito com gratidão! Mas o que quero MESMO?
Eu quero ficar EM PÉ! É ISSO QUE EU QUERO!

Fiz café, minhas orações, agradeci e implorei!!!
Pensei olhando a fumaça do incenso e a luz da vela: VOU TENTAR DE NOVO!

 
Deixe um comentário

Publicado por em 30 de setembro de 2019 em MEUS ESCRITOS

 

Tags:

Desgaste


comparação

O uso excessivo desgasta…
Tira a capacidade de absorção…
Palavras e ações se apresentam como atores sem talento algum, julgando-se uma estatueta do “oscar” …
A gente observa e lastima numa respiração mais profunda, mais pausada, mais desistente…
E pensa: Com a palavra, O SILÊNCIO!!!

 
Deixe um comentário

Publicado por em 22 de setembro de 2019 em MEUS ESCRITOS

 

Tags:

PESADELO


8e7dcfd45ce9a73cd8a58e2c02e3fc3f--mental-health-so-true

Estou aqui pensando na situação em que o meu país está sendo colocado por conta de termos um despreparado, um inconsequente dirigindo o país. Meu Deus!!!! Quando iremos acordar? Quando?!!!!

Em função de um “fetiche” por um partido político ele só consegue visualizar dois países na América do Sul: Cuba e Venezuela. E na ansiedade de não permitir que sejamos iguais a um desses dois países, ele vem destruindo a imagem que tínhamos no mundo inteiro.

Somos alvo de chacotas e já estamos sofrendo represálias. Os cidadãos brasileiros na Europa já são escarnecidos, menosprezados…

Agora ele resolve valorizar as torturas feitas no Chile e com isso provoca mais uma crise dentro da América do Sul.

Parece que ele quer PROVOCAR uma guerra.

Seria para justificar o salário que recebe como militar? Afinal que ele nunca fez nada como político a gente já sabe. Como militar deixou a desejar, tanto que… né?

A visão míope e estrábica que ele tem de democracia está acabando com a imagem do Brasil. Corrupção sempre existiu e AINDA EXISTE e no governo dele SIM. Nepotismo, carona em avião e helicóptero, gastos excessivos e desnecessários com medalhas para honrar familiares, frota de carros blindados para proteger familiares, liberação de verbas para deputados e senadores com vistas em aprovação de emendas e projetos é compra de voto, e compra de voto é corrupção. Tudo isso é corrupção.

Alguém precisa mostrar para esse sujeitinho que o BOM MILITAR é aquele que defende o seu país e seu povo quando são atacados belicamente. É aquele que dá sustentabilidade e apoio às causas humanitárias para o bem da população.

O BOM MILITAR, NÃO É O QUE FAZ CARA FEIRA, FALA GROSSO E MARCHA BATENDO O PÉ COM FORÇA NO CHÃO PRA MOSTRAR QUE É MACHÃO! QUE É DURÃO! QUE NÃO TEM PAPAS NA LÍNGUA!

Vi um artigo que os generais estão se virando contra a Igreja Católica porque ela está apresentando “VIÉS POLITICO” e eu pergunto:

__ A igreja que o defende não está?

A admiração e confiança que eu tinha nas Forças Armadas de meu país está em coma… E eu lamento muito por isso, lamento por perceber que não sou só eu que penso assim, mas milhões de outros brasileiros também.

Eu sou espirita, não sou petista e fico de fora assistindo esse papel higiênico usado sendo reaproveitado para ser passado no rosto da população brasileira para enxugar as lágrimas de um Brasil que chora de vergonha!

Como eu queria estar errada, meu Deus!!! Mas a cada dia que passa mais eu me convenço de que estou vivendo um pesadelo sim, mas acordada.

 
2 Comentários

Publicado por em 4 de setembro de 2019 em MEUS ESCRITOS

 

Tags:

Incrustada


Existem momentos em que o silencio é música para meus ouvidos.
Ouvir as folhas das árvores denunciando a presença do vento.
Ouvir a janela do quarto se balançando se batendo e dizendo :
__ Sim acredite! O vento está la fora, as folhas não mentem!
Sentir a pele arrepiando de frio mesmo estando em contato com a lã que cobre meus braços e esse incêndio interno contrapondo a tudo… é no minimo um contraponto do qual não me desapego.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 6 de agosto de 2019 em MEUS ESCRITOS

 

Tags: ,

Vácuo…


Esta madrugada recebi uma visita em meu sonho…

Eu estava  em uma casa antiga, num tempo antigo, com roupas de modelo antigo.

Pela janela eu pude ver a silhueta, o perfil…

Tão conhecido…

Tão amado…

Ele colhia acerolas da aceroleira envergada pelo peso de tantos minúsculos frutos…

O calção listado de azul e branco…

Os cabelos brancos com uma leve cor grisalha desenhavam a letra “ T “ em seu peito.

Pude notar  a presença de um beija-flor rodeando a cabeça branca e de poucos cabelos, ele olhava o voo da ave e assoviava desafinaaaaado para ela., mas ainda assim a ave dançava um balé ao redor dele…

Fiquei parada olhando a cena… Senti meu peito molhado… Meu coração transbordou em lágrimas de saudades.

__ Que bom te ver, que bom te sentir papai!

Acordei com uma sensação dormente no peito… Um olhar ausente… Um vácuo!

A senilidade apontada para mim enquanto minha única defesa, escorre pela minha face…

 

 
Deixe um comentário

Publicado por em 16 de março de 2018 em MEUS ESCRITOS

 

Tags: ,

É pra cair o C_ da B_nd_ !!!!


 

Hoje uma amiga me confidenciou estar chateada…

Tem ela uma amiga ( que não é minha também e nem quero que seja) a quem ela sempre deu atenção e ajudou de todas as formas possíveis ( ouvindo, buscando filho na escola quando ela estava na academia, emprestando nome para crediário, emprestando cartões de crédito, levando em médico e esperando no carro algumas quadras distante já que não achava estacionamento perto do consultório__ esperava ela ligar para dar voltas na quadra e passar para pega-la __ uma verdadeira “motorista particular”) … Pois bem essa “amiga” abriu uma boutique.

Pasmem!!! Minha amiga fez os salgadinhos para a inauguração da boutique dela e deu… isso DEU de presente para ela, sem cobrar um tostão…

Então ela encontrou uma blusa na boutique… Amou! E disse: “ Essa eu quero!!!”

A “amiga” dela, fez o embrulho e veio com o decreto:

__ É R$120,00 . você vai fazer no debito, credito ou dinheiro?

A moça ficou sem chão e disse que queria apenas que ela guardasse a blusa porque estava sem dinheiro no momento mas que iria buscar a blusa assim que conseguisse o valor… ( detalhe, o que ela tinha , ela usou para comprar os ingredientes dos salgadinhos)…

E ainda me diz:

_ Sabe Marluci, eu sei que ela não tem obrigação de me dar a blusa, afinal eu faço por amizade a ela, mas fiquei chateada. Você acha que eu estou errada?

Respirei fundo:

__ Como assim? Claro que ela tem obrigação de te dar a blusa, e não apenas uma, e sim duas, três… quantas você quiser. Ela tem o dever!!!!! O comercio é dela mas e o que você gastou para atender o que ela pede para você fazer? Ela só te procura quando precisa de você. É dinheiro, é carona, é empréstimo de cartão… Você compromete o seu credito para atender o que ela precisa. Claro que tem!!! Você está certíssima… Se ela tivesse um bar, um restaurante, uma empresa de taxi… você nunca mais iria pagar nada … tinha que ser tudo de graça! Afinal é ela quem te deve!

De repente olhei para o lado e vi o olhar de minha filha Leatrice sentada ao meu lado ouvindo minha conversa.

O olhar dela me disse:

__ Mãe , ouve a senhora o que a senhora disse pra ela. O seu trabalho também tem preço, ou não tem?

Pensei… pensei… Essa minha filha é fogo!!!!!!

É… essa é pra Cair o C_ da B_nd_ !!!!

 
Deixe um comentário

Publicado por em 14 de março de 2018 em MEUS ESCRITOS

 

Tags: ,

-62ºC (negativos)


Estive em Bonito na FLIB .

Amei!!! Foi muito bom!

Senti-me valorizada e isso fez bem ao meu eu interior; e para a minha surpresa, lá eu tive um reencontro com as minhas origens!

Incomodou meu coração e minha alma sentir a representatividade de minha terra natal tão tímida, tão calada, tão “figurante” nos cenários culturais que ali se apresentavam…

Foi assustadora para mim a confusão entre as personalidades de meus “eus”…

_ Mas ninguém vai falar por Corumbá?

_ Não to te entendendo Marluci!

_ Onde está a Cultura Pantaneira?

_ Uéé´!!

_ Ah…Ali está Roma Romam,  ali está Peninha!!! ( Tão gigante dentro de seu silencio…Tão presente dentro de sua humildade… )

_ Mas…

Num determinado momento, eu mesma me surpreendi ao jogar-me no centro da roda e me identificar:

__ Meu nome é Marluci Brasil! Sou de Corumbá!

Senti uma força levantando meus ombros, empurrando meu peito para frente, levantando minha cabeça, empinando meu nariz, firmando meu olhar, empostando meu timbre de voz… Era como se eu estivesse “encarando o desafio”. Uma posição de defesa. Uma atitude de proteção!!! E me vi falando das dificuldades dos artistas corumbaenses e ladarenses  ( não podia esquecer de Ladário). Questionei sobre música, sobre artes plásticas, sobre dramaticidade, e principalmente sobre literatura. Puxei uma perna do “Polvo Cultural” para a minha amada Educação e recebi tapinhas nos ombros, apertos de mãos e sorrisos, fiquei presa a olhares fixos, a ouvidos atentos… Tomei as rédeas e usei do tempo que me cabia caprichando no “dox, trex “ no fato de termos sido a primeira cidade de MT integrado a ter instutuida uma ACADEMIA DE LETRAS, e percebi que muitas pessoas desconheciam os valores culturais de Corumbá. Extrapolei protocolos. Quebrei a ordem de apresentações … E ganhei um número considerável de endereços de e-mails e contatos por whatsapp…

Quer saber? Embora eu saiba, embora eu tenha certeza, de que os fins de meus dias não serão na Terra Branca, identifiquei em Bonito uma parte de minha alma ainda presa em minha naturalidade.

Não doi mais… Doeu muito, e doeu quando eu ainda morava na Cidade Branca. Mas o sentimento em meu peito congelado  ( a – 62 °C. ) parece que começou a suar …

A magoa colada neste sentimento ( gelo cola, e como cola!!!) começa a apresentar trincaduras…

Acho que já posso arriscar a dizer que pode ser que eu permita que o passado passe…

 
Deixe um comentário

Publicado por em 11 de dezembro de 2017 em MEUS ESCRITOS

 

Tags: ,

Carta aberta nº II para o Prefeito Ruiter Cunha de Oliveira


Meu querido

Entre tantas cartas trocadas por e-mail, mensagens de whatsapp e telefonemas recheados de carinho e confiança mútua, esta é a segunda “carta aberta” que te escrevo.

A primeira eu sei que você leu (tenho até hoje comigo o e-mail emocionado que você me mandou), no entanto sei que esta carta você não lerá, pelo menos não agora… Mas também sei que um dia, ainda que espiritualmente você tomará conhecimento dela; quando acordar e perceber que está em outra dimensão vivo e na companhia dos anjos de Deus, de seres iluminados, no colo de Maria Santíssima sob o olhar atento de Jesus.

Que susto Ruiter!!! Quanto apreensão!!! Quantos momentos tensos!!! Quantas lágrimas incontidas!!! Quanto amor em meu coração!!!

Não vou mais ouvir seu riso (do outro lado da linha), nem seu pedido de desculpas pelo adiantado da hora… Não vou mais dizer: __Ok , não vou falar nada!!! Vou me calar!!! (sempre atendendo um pedido seu após nossas conversas …)

Eu sinto muito meu querido, mas desta vez não vou atender seu querer. Não vou me calar! Não posso me calar! Se o seu coração não suportou (e ele era 10 anos mais jovem que o meu) imagina o meu… O meu saiu do lugar Ruiter, tá batendo aqui, bem aqui na minha garganta. Bate dolorido e me impede de engolir e quase de respirar…

Eu tenho que te dizer, (não se zangue, mas vou repetir):

_ Esquece a política! Ela ainda vai te matar!!!!

E matou né? Viu? Eu estava certa!!!!

Eu sei que muitos vão achar que eu estou exagerando… Mas isso não me importa. Não muda minha forma de pensar e de agir.

Quando você me disse que ia voltar ao cargo de prefeito em Corumbá, eu pedi que não fizesse isso… Argumentei, falei que desta vez eu não iria me manifestar porque eu não queria perder você. Lembra?

Você entendeu e me disse que no fundo você sabia que eu lhe mandaria vibrações positivas, e eu mandei!!! Muitas!!! Mas confesso que no fundo, no fundo… Fiquei torcendo pra que você perdesse a eleição. Por que? Porque eu não queria viver o que estou vivendo hoje! Eu queria você ao alcance de meus 5 sentidos!!!

É muito difícil aguentar tanta pressão, meu querido. Só quem não tem coração é que aguenta … E você tinha… E como tinha!!! Um coração de ouro!!! Maior que o seu próprio peito.

Você foi o melhor filho, o melhor marido, o melhor pai, o melhor irmão, o melhor amigo que se pode ser…

Eu me lembro de sua frase, aqui sentado no sofá de minha sala:

__ Eu tenho que voltar Marluci! Eu preciso provar que não sou isso que falam de mim!!!

Dinho nos olhava e balançava a cabeça, dividido, concordando comigo e ao mesmo tempo com você… “Tadinho do Dinho”… eu me pergunto: Como está o coração dele hoje?

Eu me lembro de suas frases… Gravei várias delas… E em seu último desabafo lembro de sua fala

_ Não vou mais te mandar e-mail nem mensagens pelo Whats… podem rastrear… ( e riu)… Preciso de apoio. Sem apoio não se governa. Você é muito querida, é MINHA querida, mas tem gente que não esquece o seu silencio…

O que me basta, meu querido é que VOCÊ sabia dos motivos do meu silencio e concordou com ele…

Será que os “aliados” ou “alienados” (não… não me peça para medir as palavras…. não quero ter o ataque que você teve) estão com o coração em paz agora?

Em nome desse “apoio” você tomou tantas decisões e atitudes que feriu pessoas pelas quais você tinha amor, tinha carinho, tinha respeito… Sei o nome de cada uma delas… Sei o quanto te custou…

Eu sabia que por ter o coração tão bom, você não iria aguentar ver o que você não queria que acontecesse, acontecer…

O que me dói Ruiter, é que esses mesmo “opressores” de seu peito, esses mesmos que provocaram o estresse máximo em seu coração vão estar presentes no seu velório lamentando sua morte e imaginando, apostando quem vai sair de qual secretaria e quem vai entrar….

Não!!! Não me peça para ficar calada! Não vou! Vou falar por mim, por Bia, por Rafaela, por Rodrigo, por Glaucia e por Leir…

Eu sei que você pensa diferentemente de mim… Sei que você não vai esquecer Corumbá, sei que assim que estiver em condições, vai voltar e intuir os novos governantes, pensando única e exclusivamente no povo de nossa cidade… Mas não exagera, tá? Não se dedique tanto! Não se envolva tanto! Siga a luz! Você já fez tudo o que tinha que fazer pelo seu povo!

E quando reencarnar, fique longe da política… Vai por mim!

Respire fundo e durma o máximo que puder. Sua família e seus amigos estarão velando o seu sono através de orações intermitentes enquanto a saudade durar, e isso quer dizer até nos reencontrarmos novamente.

Descanse em paz, meu querido! Eu sei que você vai conseguir!

Coisa que certamente não acontecerá com os seus “algozes apoiadores e algozes adversários”.

Ah!!!… Em tempo: Perdoa, tá?

Não!!! Não me peça!!! Ainda sou humana…. O espirito aqui é você!!!

Beijos de luz!

Sua amiga

Marluci Brasil

 

 

 
Deixe um comentário

Publicado por em 1 de novembro de 2017 em MEUS ESCRITOS

 

Tags:

 
%d blogueiros gostam disto: